Um Dia (One Day)

o

Dexter: If I could give you just one gift, do you know what it would be? Confidence. That or a scented candle.

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=3C1dSEK27L0

Anúncios

Entre o Amor e a Paixão (Take This Waltz)

take-this-waltz-movie-poster

Alguns relacionamentos tem o ponto de partida na paixão. O excitante, o novo, o  brilhante são ingredientes da paixão. Mas um relacionamento não sobrevive por muito tempo apenas disso. Quando o relacionamento evoluí, e se for algo verdadeiro e mútuo, mudamos de casa no jogo e entendemos que a paixão muitas vezes dá o seu lugar para o amor. Enquanto a paixão é algo que te acende, o amor é algo que te conforta.
Mas é possível manter os dois sentimentos no mesmo lugar? E por quanto tempo? Os sentimentos mudam, a questão é se vamos conseguir manter a essência de alguns deles no decorrer da vida.
No começo do filme conhecemos um casal feliz. Margot e Lou estão chegando à marca de 5 anos de um casamento amigável e reconfortante. Mas o que aparentemente começou com paixão se transformou apenas no amor, aquele tipo de melhor amigo.
Em uma viagem de trabalho Margot conhece Daniel. Por acaso eles voltam no mesmo avião e decidem dividir um taxi para casa. Nessa divisão descobrem que são vizinhos de porta. Os “não encontros” dos dois se transformam frequentes e eles começam a construir uma relação de amizade com paixão.
A grande sacada do filme é que você não toma partido, não tem o bonzinho ou o malvado, o certo ou o errado. Você não vai julgar, porque o lance é outro. O lance do filme é fazer você entender algumas escolhas que você faz no decorrer da vida. E entender também que os sentimentos mudam.
Os personagens são bem construídos, o roteiro é redondinho e a trilha sonora é na medida certa. E tudo isso ajuda na torcida por um final feliz.

O Forlani do Omelete fez uma resenha tão mais perfeita que a minha, que merece sua atenção.

A dona do blog tem uma queda pelo Seth Rogen.

Trailer: 

Pra baixar vá até aqui: O Melhor da Telona

Eu fiquei meio obcecada pelo filme e fiz um comentário também no site: http://www.omelhordatelona.biz/news/news/3219-comentario-entre-o-amor-e-a-paixao.html

Spoiler…

Corre assistir o filme depois você volta e conhece as minhas duas cenas preferidas:

A cena mais sensual do cinema que eu assisti em toda minha vida, e eles nem se tocam:

A dança, o primeiro toque pra valer, a mudança na atmosfera:

O “poster” que eu fiz pra colocar na minha prateleira:

TAKETHISWALTZ 2

Cuca de Banana

cuca de banana

Eu adoro doces, mas curto coisas simples. Muito chantilly (odeio chantilly), muito recheio, muito creme não me conquista. Por isso que eu sou completamente pirada em bolo com fruta. Sabe aqueles bolos mega simples com banana e canela como atração principal? Então é esse bolo que você vai aprender a fazer. Ele deu super mega certo de primeira, e eu achei que era porque eu estava inspirada. Fiz novamente pra né, acreditar no poder da receita e anotem, porque a receita é poderosa rainha do funk ^^

Cuca de banana

Ingredientes:

4 ovos
200 g de margarina (não tem balança que nem eu, compre um potinho de 200gr)
2 1/2 xícaras (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de leite
3 xícaras (chá) de Farinha de Trigo
1 colher (sopa) de fermento em pó

Cobertura

5 bananas-nanicas cortadas em fatias finas (eu usei 2 porque elas eram gigantes, tipo made Itu)
Suco de 1 limão
3 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (sobremesa) de canela em pó

Modo de Preparo

Separe as gemas e bata as claras em neve. Reserve
Bata a margarina com o açúcar e as gemas até obter um creme esbranquiçado. (ele começa mega amarelo e depois vai ficando um amarelo mais suave)
Adicione o leite e a farinha de trigo peneirada com o fermento e bata mais.
Junte as claras em neve e mexa delicadamente.
Despeje a massa numa assadeira untada e enfarinhada. Arrume por cima as fatias de banana regadas com o suco de limão. Polvilhe com o açúcar e a canela misturados.
Leve para assar em forno moderado, preaquecido, até ficar dourado. Deixe esfriar antes de cortar.

Para cozinhar ouvido a doce voz da Nina Simone:

Pintar a Casa

Final de ano o tédio e hiperatividade me fizeram pintar a casa. Como eu não queria ficar refletindo sobre nada, decidi ocupar a mente pintando a casa. Eu achei que seria a coisa mais simples do mundo. Então como eu percebi que é algo bem complexo, eu vou falar o que eu aprendi nessa vida:

– Jornal. Eu acredito que o jornal um dia vai acabar e depois de um tempo ele vai ser que nem o chocolate Lollo. Vai voltar a pedidos das pessoas. Mas enquanto ele não acaba, não o menospreze. Pensa em algum dia pintar a casa, então guarde todos os jornais do mundo. Ele vai servir pra forrar tudo que tiver pelo caminho entre você é um rolo cheio de tinta.

– Móveis: Eu nunca reparo muito nos móveis da casa. Utilizo sem pensar que um dia eu teria que arrastá-los. Em apenas um cômodo eu movi de lugar: Um guarda-roupa, um rack, uma mesa, uma cômoda, uma cama, 2 prateleiras, tv de tubo. Quando eu comecei a arrastar tudo isso, já estava com vontade de fazer uma pilha e tacar fogo. E jogar roupas, livros, DVDs dentro de caixas e viver assim. Caixas são fáceis de empurrar.

– Lata de 18 litros. Quem inventou isso foi o Thor. Levantar uma lata de DEZOITO litros é uma tarefa praticamente impossível para uma pessoa de 1,47 de altura. No primeiro dia eu levantei de boa, no segundo dia já mega cansada, toda vez que pensava em levantar a lata novamente para jogar a tinta no recipiente de pintura, tinha vontade de sair gritando pela casa.

– Tapar buracos: Gesso é vida. Só isso que eu tenho que dizer. E quando você aprende a utilizá-lo as coisas vão que é uma maravilha.

– Parede ou teto primeiro: Eu tive essa dúvida, e todo mundo riu da minha cara quando falei. E dei um google e percebi que não era somente eu na vida com essa crise existencial. É o teto primeiro, pela lei da lógica do respingo na parede.

– Gostou da cor do catálogo de tinta, não compre essa, volte uma casa e compre a anterior. Você escolhe uma cor e compra a mais clara dela. É que nem esmalte, a cor do vidrinho nunca é a mesma quando você passa na unha.

E por último, o mais importante:

– Par perfeito: Tá solteira, seja esperta e faça um perfil no par perfeito com a exigência do cara saber pintar a casa. E aí você só fica encarregada de buscar uma cervejinha pro rapaz.

Diálogos Aleatórios (Peitos Caídos)

– Me dá um conselho? Só não sei se posso te pedir isso
 
– Em que posso ajudar? Se você não falar o que é vou achar que está pensando em mudar de sexo. 
 
– Então nunca fui galinha, sempre namorei certinho e nunca traí. Depois que me separei decidi curtir a vida e agora estou com duas “fixas”.
 
– Você percebe que rolou uma discordância na sua frase? Você diz que nunca foi galinha, e aí você emenda com: duas fixas
 
– Nunca fui, mundo novo. Mas o que pega é o seguinte uma delas acho que está fazendo a mesma coisa comigo. Ela caga pra mim durante a semana e no final de semana a gente saí e tal, mas nem rola conversa.
 
– Então assim como pra você para ela é só sexo.
 
– Se for isso tudo bem… mas ela num deixa claro e é isso que me irrita! Hoje marcamos de sair. E ela sumiu. Liguei e ela falou que a gente podia se ver lá pras 20h30. Do nada a ligação caiu, eu ligo e ela não atende.  Aí que vem minha dúvida, eu sou orgulhoso, e estou puto com isso, mas a gente já marcou de sair.
Você acha que eu vou mesmo assim… afinal é sexo ou foda-se ela fico em casa e se ela quiser que corra atrás de mim?
 
– Eu acho que a segunda opção é o seu cérebro falando.
 
– Ela me mandou sms agora pedindo desculpa falando que não atendeu porque estava ocupada.
 
– Minha opinião sincera de apenas uma garota latina americana? Eu acho que você devia engolir seu orgulho, ir pro motel e dar alguns bons motivos para ela não te ignorar da próxima vez.
 
– Pensamento interessante
 
– Meu, eu te dei a resposta. Falei para você parar de ser orgulhoso (leia-se gay) e sei lá manda uma mensagem bem suja pra ela, usa seu lado comediante ae mas com uma pegada roteiro pornô.
 
– Então, não sei ser assim.
 
– Eu até te dava algumas ideias, mas sou uma moça de família e pretendo ser freira.
 
– Acho que é porque só encontro com ela de final de semana a cada 15 dias, hoje decidi sair com uma e amanhã com a outra. Eu estou numa fase putão.
 
– Faz bem sabia, a vida é curta e quando você vai ver a gravidade já andou e seus peitos ficam caídos. Opa, perae! Isso é comigo.
 
 

Diálogos Aleatórios

– Fui assistir Argo no cinema, né. Fui com o sobrinho lindo futuro advogado (orgulho da tia).  Enfim, cadeiras marcadas, um casal mega cheio de demonstração pública de afeto senta ao meu lado. Cara, eles tipo estavam se pegando mesmo.

– Odeio quando fazem isso, meio sem noção.

– Meu, tipo cadeira marcada, caracas! Dava nem pra mudar de lugar, fiquei mega constrangida. Poxa, estava com meu sobrinho.

– E tem lugares pra isso, né.

– É tipo sei lá, um lugar chamado motel, que é tipo privado. Ou sei lá, pega uma sessão de desenho animado. Mas meu acabou o filme eu tive que olhar na cara deles, sabe. Com meu olhar sério do tipo: Vão ficar se pegando em outro lugar. Mas aí quando olhei quase caí pra trás.

– Mentira que você conhecia o casal!

– Não! Eram japoneses.

– Eita, e o que tem isso? Japoneses não namoram?! só na sua cabeça né.

– Tipo não é isso, mas sempre achei japoneses mega comportados. Na minha cabeça eles não ficam se pegando no cinema. Eles são budistas zen. Na minha cabeça eles se pegam no escuro, longe de todos os olhares. Fiquei mais chocada ainda.

Diálogos Aleatórios

– estou num d i l e m a.

– fale

– a galera que se formou comigo no ensino médio em 2000 vão se reunir num restaurante no shopping aqui perto. Quer dizer, galera assim né, vai tipo umas 10 pessoas.

– hum

– alguns já casados com suas respectivas senhoras. Eu já fui num encontro desses faz uns dois anos e consegui me divertir por 10 min, o resto foi tédio.

– imagino

– Deveria eu tomar banho, parecer charmosa, sair de casa, trânsito, pegar shopping lotado (natal). Pra tipo, morrer de tédio… Que Puxa! Falando tudo isso eu já sei a resposta nem vou perguntar.

– =D