Cupcake com Recheio e Cobertura de Prestígio

Tem dias que o universo está a seu favor na cozinha e aí você aproveita. Por isso, quando eu acertei essa receita aqui, decidi encarar novamente o desafio do cupcake. Mas decidi fazer as coisas do meu jeito e fui bisbilhotar alguma receita de bolo simples num livrinho. E como eu já tinha comprado uma lata de doce de Prestígio da Nestlé (e que precisava me livrar dela) eu resolvi utilizar como recheio e cobertura.
Mas né… também tem dias que tudo dá errado. Como sábado passado que eu fiz um bolo para uma festa junina, ele não cresceu, ficou super seco e ainda na hora de lavar a louça eu quebrei uma forma de vidro e um copo.

Mas vem comigo, porque é tudo muito simples, rápido e tudo muito delicioso.

Cupcake com Recheio e Cobertura de Prestígio

Massa:
Bolo de Maisena

4 ovos
10 colheres de açúcar
6 colheres de Maizena (amido de milho)
6 colheres de farinha de trigo.

Obs.: cresce mesmo sem fermento… é tipo mágico

Modo de Preparo

Bater as claras em neve, com a batedeira ligada você coloca as gemas, o açúcar e bate até ficar bem claro essa mistura. Depois você coloca a maizena e a farinha. Coloque em forminhas para cupcake. Eu coloquei massa até mais ou menos a metade da forminha. Assar em forno regular até ficar dourado. Uns 15 minutos.

Recheio e Cobertura

Essa latinha de doce aqui:

Coloque o doce numa panela com um pouco de leite, até ele ficar com uma consistência aceitável pra trabalhar com saco de confeitar.
Porque o doce é bem encorpado, mas bem mesmo. Então eu como sou um NADA pra confeitar, achei na minha infinita sabedoria que eu poderia usar o doce assim. Joguei dentro do saco de confeitar… e pronto… estourei o negócio! E ai que me deram a dica de colocar numa panela com um pouco de leite pra tipo fazer a coisa certa.

Delícia… delícia ^^

Vocês viram que a receita fala da Maizena mesmo… é que o livro que eu tenho, na real é um xerox do livro de um amigo. O livro se chama Receitas da Vovó hahaha eu simplesmente amo esse meu livrinho. Uma porque tudo é bem receita de Avó mesmo, como essa do bolo aqui. Não tem muito frescura os ingredientes e o modo de preparo. É tudo assim, você coloca tudo isso e bate hahaha pronto! E sem falar que todas as receitas são assinada por alguma avó. Esse bolo de Maizena aqui, quem assinou foi a Vó Benzinho HAHAHA.

Trilha Sonora:

Conchiglioni Recheado com Brócolis

Quando eu vi essa receita aqui, eu pirei. Eu não curto muito espinafre, e minha maturidade só me permite comer esse lance verde se estiver bem mascarado.
Nunca tinha feito conchiglioni e com isso eu nunca dei a devida atenção para esse macarrão nas prateleiras, até o dia que eu fui atrás dele. Bom TRÊS hipermercados e TRÊS supermercados depois, nada de conchiglioni, nadika de nada. Com isso eu meio que desencanei geral desse macarrão.
Um belo dia, quando eu não procurava mais o tal do conchiglioni, estava lá de bobeira na parte dos macarrões, colocando no carrinho um pacote de fusilli, quando olho para o lado e várias caixinhas de conchiglioni sorriram para mim.
E aí que eu deduzi que conchiglioni é que nem o amor. Quando você não procura, você acha ^^
Eu dividi o conteúdo da caixinha pra duas receitas, a primeira receita foi essa com recheio de espinafre. A segunda leva eu fiz com recheio de Brócolis, que é meio parecido com essa receita, mas mudei o molho e o também o recheio (jura?!) .

Conchiglioni Recheado com Brócolis

Macarrão:
10 conchiglioni

Recheio:
1 pacote de brócolis*
Azeite
1 cebola pequena picada
2 dentes de alho picado
1 colher de sopa requeijão
um tiquinho de água
Sal à gosto

*Eu usei um pacotão de brócolis, porque sou uma pessoa exagerada. Mas eu acho que dois pacotinhos daquele brócolis congelado já é o suficiente)

Molho:
2 colheres de sopa de manteiga (usei margarina tsc tsc tsc)
1 cebola pequena ralada
2 colheres de sopa de farinha de trigo
3 xícaras de leite (se quiser o molho mais encorpado, utilize só 2 xícaras de leite)
Sal e Noz Moscada ralada à gosto.

Queijo ralado para gratinar (usei mussarela, pq eu não gosto de queijo ralado)

Modo de Preparo

Primeiro você coloca a água do macarrão pra ferver. E depois prepara o macarrão.
Recheio: Frite a cebola e o alho no azeite, quando estiver mais ou menos douradinho o alho, você joga o brócolis, e um tiquinho de água, não coloque muita porque quando o brócolis começa a cozinhar ele solta água. E ai você deixa cozinhar, até ficar mais molinho. Desligue o fogo, misture o requeijão. E reserve.
Molho: Derreta a manteiga e depois adicione a cebola ralada. Quando você perceber que a cor dessa mistura de manteiga e cebola mudar um pouco de cor, você joga a farinha. Mexendo sempre, até essa mistura ficar com uma cor dourada. Você diminui um pouco o fogo, e mexendo sempre você vai acrescentando o leite. (eu sou meio maluquinha com molho branco, então eu jogo o leite de uma vez). Deixe ferver, e aí quanto mais tempo ele ficar no fogo mais grossinho ele vai ficar. Acrescente o sal e a noz moscada e reserve.

Montagem:
Primeiro forre o fundo de uma forma com um pouco do molho. Depois vai recheando o conchiglioni com o brocólis e acomodando cada um na forma. Quando todos estiver já bonitinhos, você joga o restante do molho por cima.  Se você é fã de queijo ralado, você cobre os conchiglioni com o queijo e leva no forno até derreter o queijo. Eu usei mussarela.

Ficou realmente muito muito bom mesmo.

Trilha sonora:

Dialógos Aleatórios

– Começou a época das quermesse né?

– Já curti bem mais quermesse viu, hoje só vou para comer mesmo.

– Mas o que vc fazia antes numa quermesse?

-A quermesse que eu vou fica estrategicamente ao lado da escola que eu fiz o ensino fundamental. Então a quermesse é o local onde encontro pessoas que estudaram comigo no ensino fundamental,  tipo pra lá de 10 anos atrás.

-mas agora vc não encontra mais ninguém?

-continuo encontrando, mas agora faço que não reconheço ninguém. E muitas vezes passo reto.

-isso se chama metidisse.

-não, isso se chama autopreservação. Por exemplo tem uma menina que estudou comigo da 5ª  até a 8ª série. Mas ela era aquela pessoa que sabia exatamente o que queria ser quando crescer, tipo aos 3 anos de idade. Ela tinha um cronograma. A última vez que eu a encontrei eu estava com 25 anos, mesma idade que ela. Ela já tinha conquistado, um carro, uma casa, um casamento e subiu 900 vezes de cargo num banco, onde ganha milhões e ela parece extremamente feliz.

-e a felicidade dos outros a incomoda?

-nem um pouco, o que me incomoda é ela querer saber o que eu conquistei nesses anos todos. Mas eu já sei o que eu vou fazer se rolar um próximo encontro.

– vai sair correndo?

– Claro que não! Eu vou olhar bem nos olhos dela, quando ela abrir a boca pra falar algo, eu vou falar antes: – Eu descobri a cura da leptospirose! E vc, como vão as coisas?

Kit Harington e Richard Madden

A minha nova obsessão, na realidade são duas novas obsessões e leva nome e sobrenome:

Kit Harington e Richard Madden

Eu não queria assistir uma série nova. Já estava com 50 séries, mas aí navegando no papelpop eu vi esse post, com esses caras lindos lindos lindos. E aí que eu fui atrás de saber mais sobre Game Of Thrones, e quando vi, eu já estava fazendo maratona e devorando informações pra entender um pouco mais sobre a série. Quer saber sobre a série: www.gameofthronesbr.com

Bem podia falar que eu comecei assistir a série por vários outros motivos mais inteligentes hauhauhau…  mas na real não resisti quando vi as fotos dos dois com os fãs, e o Kit estava com a barra da calça molhada da água do mar. O que deduzi eu, foi por causa de uma caminhada à beira mar (se tiver errada, pode corrigir).
E né… tem como não amar? Claro que não! Fiquei completamente apaixonada por esse moço e pelo outro moço também. Sem falar que os personagens dos dois são apaixonantes na série também. Então ficou mais difícil ainda não curtir.
Ah e os dois tem sotaque CATAPLOFT!!!

Kit Harington (CATAPLOFT!)
Richard Madden (CATAPLOFT)
Levo os dois pra casa ^^

Foto do Kit retirada do site: http://www.kitharingtonbr.com/

Foto do Richard retirada do site:  http://richard-madden.com/ 

Foto dos dois: http://fuckyeahjonsnow.tumblr.com/

A pessoa que escreveu esse post tem 7 anos HAUHAUHAU

The Killing

The Killing é aquele tipo de série que não tem pressa, o caso por semana de alguma outra série, aqui se desenrola durante a temporada inteira.  E é assim que funciona, cada episódio é um dia de investigação.
A série se passa na adorável Seattle. E é naquele clima cinza, sufocante e chuvoso que assistimos o desenrolar de um assassinato.
A narrativa é dividida em três focos: as investigações da polícia, a dor dos pais da vítima e o dia a dia dos principais suspeitos.
Mas acima de tudo a série é sobre pessoas. É tão sobre pessoas que às vezes o assassinato fica em segundo plano e você acompanha não somente a evolução da investigação, mas a transformação das pessoas envolvidas nesse caso.

Partindo do desaparecimento de uma adolescente que acaba sendo encontrada morta, eles construíram uma trama minuciosa, cuidadosa e completamente viciante, com a história de dois policiais que, sem nenhum glamour nem laboratório avançado de perícia nem frases de efeito nem grandes sacadas espertinhas, vão investigando – e errando e acertando – as pistas obscuras que envolvem os colegas, os pais, os professores de Rosie Larson; a história da família da menina desaparecida que começa a desmoronar depois da tragédia; a campanha de um candidato a prefeito de Seattle, a cujo escritório pertencia o carro em que o corpo foi achado, e que mesmo sem nenhuma outra ligação aparente com o caso se vê intimamente ligada à investigação.
by legendado

Todo mundo tem um passado, todo mundo tem um segredo e tudo isso vai meio que influenciando a investigação e a todos.
Sarah Linden, a investigadora principal, tem um passado meio obscuro. Ela já teve um caso parecido que não conseguiu solucionar e que a assombra. Holder é seu parceiro, ex-viciado e que você acha que a qualquer momento vai estragar tudo.
Stan Larsen é o pai de Rosie e é de longe o personagem que mais sofre, e com isso é o personagem mais interessante de assistir da série. Mitch, mãe de Rosie (quem interpreta é Michelle Forbes, que saiu malucona de True Blood e continua malucona em The Killing).
E temos os principais suspeitos que envolvem um candidato à prefeito, a dona de um cassino e velhos conhecidos de Stan Larsen.

A série está na segunda temporada, e tem a abertura mais hipnotizante de todos os tempos: